"Pensar com as mãos": o radical processo de intertextualidade godardiana em 'Imagem e Palavra'

  • Maria Altberg Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro / CAPES

Resumo

O ponto de partida deste artigo é o longa-metragem Imagem e Palavra (2018), de Jean-Luc Godard, ancorado na ideia do “pensar com as mãos”. A manipulação de sons e imagens, prática característica da obra do cineasta, é radicaliza e levada ao extremo neste seu filme-livro. As opções estéticas e os procedimentos de montagem apresentados proporcionam uma experiência de suspensão dos sentidos. Entramos em contato com uma linguagem que, livre de um télos, funde-se com a própria experiência de vida. A partir da tapeçaria artística e política tecida por Godard, o artigo convocará outros teóricos e artistas que, ao eleger o desvio da normalidade como virtude, realizaram o desafiador percurso de pensar histórias que resistem ao(s) tempo(s).

Como Citar
Altberg, M. (2020). "Pensar com as mãos": o radical processo de intertextualidade godardiana em ’Imagem e Palavra’. ELyra: Revista Da Rede Internacional Lyracompoetics, (15), 61-74. Obtido de https://elyra.org/index.php/elyra/article/view/326